25/08/2011

Excesso de funcionários na CMG é mito

Segundo um estudo do Jornal de Negócios a Câmara Municipal da Guarda tem menos funcionários que a média nacional.

São 14 funcionários por cada mil habitantes contra os 19,6 da média nacional.

Os municípios da região que possuem maior índice de funcionários são Celorico da Beira e Mêda com 39,6 e 34,5 respectivamente. O que possui menos é o da Covilhã com 6,8 funcionários por mil habitantes.

Obviamente que a Covilhã possui muito menos freguesias (31 contra 55 da Guarda) e muito menos área (555 km² contra os 712 km² da Guarda) a gerir o que certamente conta na hora da poupança com os recursos humanos.


Não menos interessante, e que tendo em conta estes dados, que a CM da Covilhã esteja bastante mais endividada (100M €) que a da Guarda e a perder população a um ritmo acelerado de várias décadas a esta parte.

Está assim desfeito o mito segundo o qual a CMG teria práticas de gestão de recursos humanos menos cuidadas.
Estamos mesmo em crer que, se algumas empresas municipais fossem saneadas do ponto de vista do rigor das suas contas, a CMG poderia apresentar uma dívida bastante controlada.
O estudo pode ser consultado aqui.

05/08/2011

PJ da Guarda detém traficante internacional

A Polícia Judiciária, através do Departamento de Investigação Criminal da Guarda, «na sequência de diversas diligências de investigação levadas a efeito nos últimos dias, localizou e deteve, na cidade da Guarda, um homem de 28 anos de idade, de nacionalidade estrangeira, contra o qual pendia um mandado de detenção com eficácia internacional para efeitos de extradição», informa aquele Departamento em comunicado enviado no início desta tarde à comunicação social.


O mandado em causa, «difundido através da Organização Internacional de Polícia Criminal (INTERPOL), fora emitido há cerca de três anos pelas competentes autoridades judiciárias de um país do leste europeu no qual corre termos um processo contra o detido por tráfico de estupefacientes».

«O cidadão em causa vai ser presente ao Magistrado do Ministério Público junto do Tribunal da Relação competente a fim de se proceder à sua audição nos termos da legislação em vigor», adianta o comunicado.

In: Terras da Beira