27/10/2011

Portagens electrónicas: como evitar a sua inutilização?

As portagens electrónicas que em breve entrarão em funcionamento na nossa região, são constituídas grosso modo por 3 pórticos metálicos que suportam:


I) Câmaras de infra-vermelho com flash também infravermelho ("luz" invisível ao olho humano) apontadas às matrículas dianteira e traseira do veículo, nesta câmara a matricula é reconhecida por OCR esses dados em imagem e em texto são enviados para o back-office operacional.

A "luz" infravermelha não ofusca os condutores e por outro lado a câmara de infravermelho também não capta luz visível pelo que não é ofuscada pelos faróis e funciona melhor em condições de luminosidade diversas;

II) Dupla cortina laser que activa o sistema e faz disparar ambas câmaras medindo o comprimento do veículo para atribuição de classe de portagem a cobrar.

III) Alternativamente, existe também uma "antena" que comunica com o chip de matrícula (quando presente) via micro-ondas e faz a cobrança.

A coisa funciona mais ou menos assim:



Outra informação não divulgada mas visível ao lado dos pórticos, é a existência de "caixas" ao nível do solo que possivelmente transmitem os dados dos pórticos para o back-office onde são armazenados e processados.

Talvez devido ao vandalismo actualmente encontram-se protegidas por jaulas metálicas pintadas de azul, além disso em alguns locais parecem ter sido instalados detectores de movimento que accionam uma foco de luz sobre a jaula. Nesse mesmo local encontra-se também o acesso via escada aos pórticos metálicos, estas encontram-se subidas e trancadas com cadeado.

Para evitar a destruição dos pórticos devem evitar-se as algumas actividades (para além do clássico pneu a arder) de entre as quais destacamos:

1. Espingarda caçadeira, por exemplo carregada com cartuchos zagalote;
Além de o zagalote ser uma munição proibida, poderia causar enormes danos se atingisse inadvertidamente os equipamentos colocados nos pórticos, especialmente as câmaras e os flashes de infravermelhos acoplados a baixo destas ou ainda os emissores das cortinas laser.

2. Arma de paintball;
Uma arma de paintball disparada sobre as câmaras poderia provocar a inutilização da mesma já que a lente poderia ficar coberta de tinta.

3. Lasers de potência elevada;
Existem neste momento à venda na Internet lasers portáteis do tamanho de lanternas com potências muito elevadas (acima dos 2000 mW). São extremamente perigosos para a vista e especialmente não devem ser apontados às câmaras dos pórticos sob pena de danificarem o sensor de imagem irremediavelmente.

4. Projector ou foco Infravermelho;
Qualquer tipo de iluminador infravermelho potente - apesar desta "luz" ser inócua e invisível para o ser humano - pode ser extremamente ofuscador para câmaras  das portagens, evidentemente que a assemblagem destes equipamentos na frente e traseira dos veículos pode causar uma indesejável incapacidade de leitura das matrículas o que, na ausência de chip de matrícula, poderia impossibilitar a identificação do veículo!

5. Thermite;
Thermite é um dispositivo pirotécnico extremamente simples - consiste apenas em pó de ferrugem e limalha de alumínio em pó - mas com efeitos devastadores, chegando mesmo a derreter blocos compactos de metal.
Tendo isto em consideração, será de evitar ao máximo que estes dispositivos possam ser deflagrados sobre as já referidas "jaulas".

6. Porta-matrículas com leds Infra-vermelhos ofuscadores;
Curiosamente parece que alguém desenvolveu um porta matrículas que ofusca as câmaras de infravermelhos.
Apesar de não ser certo que este dispositivo funcione totalmente - especialmente durante o dia - será de evitar o seu uso, não vá o diabo tecê-las!

7. E principalmente o não uso do chip de matrícula ou via verde actualizada.
É extremamente importante que todos os cidadãos adiram ao chip de matrícula ou actualizem as suas vias verdes para que possam ser correctamente identificados, monitorizados para ... efeitos de cobrança de portagens, já que por algum motivo a leitura de matriculas poderia falhar.

Todas as tecnologias possuem as suas limitações, convém por isso que todos os cidadãos estejam informados disso mesmo e cooperem com o estado central e com as concessionárias, para que estes possam adequadamente cobrar as devidas portagens, sem o incómodo oneroso da colocação de cabines de portagem e pagamento de salários aos portageiros.


Empresas envolvidas no esquema de portagens electrónicas das ex-SCUT e Viaverde:

Quem dá a cara:
http://www.ascendi.pt/noticias/detalhes.php?id=187

Quem instala nas Scut:
http://sinergia.mota-engil.pt/Detail.aspx?ParentId=368

Quem instala na brisa:
http://www.q-free.com/

Os indianos que produzem os equipamentos:
http://www.tradeindia.com/Seller-3679039-Comvision-Q-Free-Tolling-Infra-Pvt-Ltd-/product-services.html

12 comentários:

Nightwish disse...

Termite, sem dúvida, seria a mais divertida. Não aconselhada a pirómanos de fim de semana, que aquilo não apaga.

Carlos Medina Ribeiro disse...

A pergunta a que ninguém responde (porque ninguém a coloca) é:

«Como é que são cobradas as portagens dos carros com matrícula estrangeira que, por qualquer motivo, não as pagam?»

Se a própria Polícia Municipal de Lisboa se queixa de dificuldade de acesso à base de dados com as moradas dos condutores PORTUGUESES infractores (para lhes enviar as multas para casa), como é com os estrangeiros?

E como é que se quer associar um 'chip' a um cartão (de débito ou de crédito) se ninguém pode ser obrigado a ter um?
(Aliás, ninguém pode ser obrigado a ter, sequer, conta bancária).

Anónimo disse...

E também não se deverá usar lama atirada contra a matricula,

nem velas incandescentes ou rede de cerca de <1cm de malha (p/ex. de galinheiro ou similar) em frente às matriculas entrelaçada com um filamento termoresistor (p ex de um secador de cabelo ou similar) ligado à bateria (ou a um transformador de 220v ligado ao isqueiro), que se liga 1 ou 2 minutos antes de passar nos porticos,
a qual apesar de ser virtualmente invisível (p/ex. a partir de outras viaturas), ao ser aquecida em frente da matricula vai brilhar bastante aos infravermelhos efectivamente impedindo a visualização dos detalhes da matricula.

Anónimo disse...

Já agora, numa abordagem alternativa...

Também se deve evitar remover com chaves de bocas, ou equivalentes, os parafusos metálicos que sustentam os porticos ao solo, deste modo evitando que os porticos possam tombar, especialmente porque isso poderia eventualmente danificar irreparavelmente as cablagens e/ou os sensores.

Anónimo disse...

existe contudo um pequeno problema nestas "soluções". Não contemplam as cameras "normais" de espectro visual que identificam as matriculas, como por exemplo nos radares de lisboa. Quase todas estas soluções são falíveis. Aceitam-se sugestões para este problema. Adianto um, não se deve colocar filtros de plástico ou vidro sob a matricula, do género daquele que se coloca em alguns monitores e que bloqueiam a visão de determinados ângulos permitindo apenas a visualização por exemplo na horizontal. Aliando isto a uma solução de bloqueamento de IR consegue-se obter um sistema que não se deve usar.
Já vi também sugestões para bloquearem sinais radio, vulgar jamming, afim de "baralhar" as camaras. Não funciona pois estas funcionam com cabos e não sem fios.

Anónimo disse...

Também se deve evitar utilizar alicates corta-arame na proximidade dos pórticos, pois estes, manuseados com luvas de borracha, pode acidentalmente cortar os cabos dos ditos pórticos, provocando curto-circuitos e/ou a inutilização dos mesmos.
O despejo acidental de limalha de ferro para dentro das caixas de electrónica, por qualquer orifício acidentalmente aberto também pode ser gravoso para a saúde do equipamento...

Anónimo disse...

De recordar ainda que os chips de matrícula foram REPROVADOS pela AR, e portanto a sua imposição é ILEGAL...
Também se deve notar que as ameaças do fisco penhorar viaturas de quem não pagar é completamente ilegal, pois o fisco nunca pode actuar a mando ou em benefício de uma entidade PRIVADA, como o são as concessionárias. Isto é CRIME, e poderá levantar uma chuva de processos-crime contra a administração fiscal e as concessionárias...
É bom que se saiba...

Anónimo disse...

Eu como " estrangeiro" terei muito prazer em circular pelas scuts.............

Anónimo disse...

eu sei que alguns emigrantes que vieram cá passar o natal passaram na auto estrada A25 e A23 sem pagar e no regresso fizeram o mesmo

Anónimo disse...

Estou a pensar fazer termite, mais que não seja para experimentar, mas quem sabe? Pode ter outras utilizações, como destruir sinais de trânsito mal colocados que só perigam a circulação rodoviária.

Anónimo disse...

Também não se deve despejar acidentalmente pó de grafite para dentro das caixas de electrónica, por qualquer orifício acidentalmente aberto também pode ser gravoso para a saúde do equipamento..

Anónimo disse...

Alguns veículos mais antigos onde a matricula esta demasiada inserida no pará-choques, nalguns casos as câmeras não conseguem ler.